7 de novembro de 2018

15 dicas de português para concurso: erros mais comuns.

Compartilhe...Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someone

Para ajudá-lo nos seus estudos de português para concurso público, selecionamos algumas das questões do idioma que mais confundem os concurseiros, seja na hora de responder às perguntas da prova de Português ou na hora de escrever uma redação.

Confira e tire suas dúvidas!

  1. “Em vez de” ou “ao invés de”?

    As duas expressões são parecidas e, às vezes, parecem significar a mesma coisa. Mas não exatamente: “ao invés de” só pode ser usado quando há uma oposição clara e direta, como em “Ao invés de sair, ficamos em casa”.

    “Em vez de” é usado quando há uma substituição, e não uma oposição. Por exemplo: “Em vez de pegar o guarda-chuva, eu peguei um casaco”.

    “Em vez de” pode ser usado no lugar de “ao invés de” também, por isso, sempre prefira seu uso, para não correr o risco de errar.

  2. “Faz” ou “fazem”?

    A conjugação do verbo fazer deixa muitas pessoas confusas quando ele se refere ao tempo decorrido. “Faz dois meses” ou “Fazem dois meses”? A resposta é simples: se “fazer” for impessoal, ou seja, não tiver sujeito, ele fica sempre no singular. Por isso, “faz dois meses que trabalho aqui” estaria certo.

  3. “Esquecer-se” ou “esquecer-se de”?

    Quando o verbo “esquecer” é pronominal, ou seja, acompanhado do pronome “se”, sempre usamos “de” para complementar. Quando não há o pronome “se”, não se usa o complemento.

    Por exemplo, “ele se esqueceu do casaco”, ou “ele esqueceu o casaco”.

  4. “Ao encontro de” ou “de encontro a”?

    Essas duas expressões são muito parecidas e causam muitas dúvidas em quem estuda português para concurso público, mas significam coisas muito diferentes. “Ao encontro de” é usado quando duas coisas estão em harmonia, enquanto “de encontro a” significa “ao contrário de”.

    Por isso, “minha opinião vai ao encontro da sua” é o oposto de “minha opinião vai de encontro a sua”!

  5. “Através” ou “por meio”?

    Muitas pessoas acham que essas duas expressões são substituíveis quando estudam português para concurso. Na verdade, de acordo com a gramática, “através” só pode ser utilizado quando houver a ideia de atravessar – como em “eles viajaram através do estado”.

    Se você quiser dizer “por intermédio”, deve usar “por meio”: “eles conversavam por meio de mensagens”.

  6. “A meu ver” ou “ao meu ver”?

    Essa é uma expressão fixa: é sempre “a meu ver”. “Ao meu ver” está errado – por isso, nunca a use na hora de escrever uma redação!

  7. A princípio” ou “em princípio”?

    Mais uma vez, essas duas expressões são parecidas e parecem substituíveis, mas significam coisas bem diferentes. “A princípio” é um equivalente de “de início”: “A princípio, achamos que ele estava em casa”.

    “Em princípio”, por outro lado, é um equivalente de “em tese”: “Em princípio, devemos sair agora para chegar a tempo”.

  8. “Se não” ou “senão”?

    Essa é ainda mais difícil para quem estuda português para concurso, porque a única diferença é o espaçamento. “Se não” é usado em condições, como “se não terminarmos agora, podemos terminar amanhã”. “Senão” significa “a não ser”: “ela não fazia nada senão dormir”.

  9. “Onde” ou “Aonde”?

    Apesar de serem parecidas, essas duas palavras têm uma diferença sutil: “onde” é um lugar onde algo está, como na frase “onde você estuda?”. “Aonde” é um lugar para onde se vai – indica movimento: “ainda não sabemos aonde vamos”.

  10. “A” ou “há”?

    Quando se usa cada uma dessas palavras? O verbo haver é usado para indicar tempo no passado: “estudo aqui há 3 anos”. O “a” é usado para indicar futuro ou distância: “A reunião é daqui a dois dias”.

  11. “Há dois dias” ou “há dois dias atrás”?

    Apesar de ser muito usado na fala, “há dois dias atrás” é uma redundância: se tem o “há”, já está marcado que foi no passado e, por isso, não é preciso usar o “atrás”. Então, a forma certa no português é “há dois anos, fiz uma viagem inesquecível”.

  12. “Precisa-se” ou “precisam-se”?

    A partícula “se” torna o sujeito indeterminado, nesse caso, e não temos como concordar o verbo com um sujeito indeterminado. Por isso, ele permanece no singular: “Precisa-se de voluntários”.

  13. “Tem” ou “têm”?

    Essas duas palavras são, na verdade, conjugações do mesmo verbo: “tem” é na terceira pessoa do singular – “ele tem” – e “têm” é na terceira pessoa do plural – “eles têm”. Por isso, dependendo da frase, os dois podem estar certos.

  14. “Prefiro…do que” ou “prefiro…a”?

    Mesmo que, no dia a dia, nós normalmente digamos “eu prefiro morango do que banana”, essa não é a forma gramaticalmente correta de reger o verbo “preferir”. Na verdade, esse verbo pede a preposição “a”: “eu prefiro morango a banana”.

  15. “A nível de” ou “em nível de”?

    Por último, outra expressão que sempre traz confusão na prova de português para concurso. “Em nível de” significa “no âmbito”, como “os estudos serão feitos em nível de análise”. “A nível de” significa “na mesma altura”, como quando dizemos que algo está “ao nível do mar”.

    Vencer é uma questão de Escolha! Faça a sua. Faça Need!!

    Quer garantir um futuro ainda mais brilhante?? Conheça os cursos profissionalizantes da Need e esteja pronto para o mercado de trabalho!